A vida é uma poesia

Poemas de amor, poemas de amizade, poemas para o Dia dos Pais, Poema para o Dias das Mães, poema para o Dia das Crianças, mensagens de otimismo, frases e pensamentos.






quinta-feira, 16 de março de 2017

Inércia





Quando a inércia for o único lugar que você ocupa, é o momento de tirar os pés do chão, agarrar-se em uma nuvem e seguir o vento... Quem sabe você vira chuva e chove em si mesmo, acorda desse sonho, molhado, tendo em seus poros a sua própria essência.
(Pensamento de Maria Cristina Gama)

quarta-feira, 15 de março de 2017

Não tente entender



Desculpe-me se ando ausente,
Ando um pouco fora de mim,
Ando de tudo muito descrente,
Creio que nunca me senti assim...

Ando sem sentir o chão,
Sem paciência de perdão,
Sem tolerância com mentiras,
Perdida nas esquinas...

Se quiser saber onde estou,
Procure-me nas nuvens que apagam,
Lá, aonde o vento me levou,
Onde meus pensamentos vagam...

Se quiser mergulhar em mim,
Pegue um barquinho e um remo,
Meus olhos andam marejados,
Cheios de onda de mar salgado...

Só tome cuidado com o canto da Sereia,
Não vá muito fundo, longe da areia,
Que te arrasto para dentro do meu coração
E não devolvo nunca mais!

Maria Cristina Gama

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

Não deixe passar em branco...



 











Quando tudo parecer não ter sentido,
Coloque sentido em tudo...
A vida é o que fazemos dela,
Não se permita olhar pela janela.

(Por Maria Cristina Gama)

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

Carpe Diem


"Carpe diem"
Temos todo o tempo do mundo, mas não sabemos se esse mundo é pequeno ou infinito... e já que não me pertence o meu próprio tempo, devido ao mistério que é viver, que o meu tempo seja intenso, bem vivido, cada minuto, cada fôlego, cada amanhecer...
(Maria Cristina Gama)

terça-feira, 20 de dezembro de 2016

FELIZ NATAL E PRÓSPERO ANO NOVO!



É no natal que as pessoas abrem mais sorrisos, quando existe mais perdão, mais coração aberto...  Mais compaixão... É como se tivéssemos uma nova chance de recomeçar, de fazer tudo certo, é renascimento. Colocar o gorro mágico do Papai Noel pode nos transformar em pessoas mágicas também, mas se não estivermos vestidos por dentro, essa magia vai embora antes mesmo do Ano Novo. Sendo assim, o que eu desejo aos meus familiares e amigos é que Jesus esteja sempre presente em todos os momentos de sua vida. Que vocês tenham vontade de sorrir sem motivo e de ajudar sem pensar em agradecimento. Que a sua vida seja leve e pura como a de uma criança, que cresçam em amadurecimento e, mesmo que sejam lapidados por momentos difíceis, lembrem-se de que eles são necessários, pois, para ser forte é preciso conhecer a fraqueza, para ser feliz é preciso conhecer a lágrima e para evoluir é necessário que aprendamos novamente a dar os primeiros passos... Depois disso, vem o levantar e o equilíbrio. Que esse equilíbrio os impulsione para frente e para o alto, pois é isso que Jesus deseja que façamos, que cresçamos em sabedoria e amor.
Com carinho,
Maria Cristina Gama

domingo, 11 de dezembro de 2016

Carpe diem


Aprendi que a vida é muito mais do que se pode ver, do que se pode ter,
A vida é fôlego de gratidão, é esperança de um novo amor, é compaixão...
A vida é sorriso que se abre como a flor, que se mostra com delicadeza,
É abraço que nos envolve sem cobrança, como os que nos oferecem as crianças...

Aprendi que a vida é branda, é intensa, quando a permitimos ser,
A vida é a nossa essência, é coração aberto, e estar sempre perto,
A vida pode ser um dia cinzento ou uma janela aberta para o mar,
Tudo vai depender se decidir abrir a cortina e entregar-se a esse dia...

Aprendi que quero viver essa vida e tudo de bom que ela oferecer,
Mas nada que seja palpável, somente tudo que seja agradável,
Pois o valor não está nas coisas materiais, está na leveza do ser.

Maria Cristina Gama
.
.
.

quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Desaprendi a fazer lágrima



Tem uma lágrima aqui presa que me tira o ar,
Ela não quer chorar, parou na janela aberta,
Transformou tudo em minha volta em mar
Sem qualquer mínima gota derramar...

Tem uma lágrima me apertando a garganta,
Com suas mãos quentes, com gosto de sal,
Queria arrancá-la daqui, mas não adianta,
Ela não sente a menor vontade de sair.

Eu não me lembro como se faz lágrima,
Faz tanto tempo, que desaprendi...
Pela falta de uso, esqueci...

Esqueci que o choro lava a alma,
Esqueci que o choro acalma,
Preciso nascer de novo!


Maria Cristina Gama
.
.

terça-feira, 29 de novembro de 2016

A efemeridade da vida


E quando, num susto, percebemos que a vida é efêmera, mudamos nossos valores. Refletimos sobre as nossas atitudes...

Se soubéssemos que não teríamos mais tempo, seríamos mais tolerantes, mais pacientes, amaríamos sem reservas. Não deixaríamos as palavras presas na garganta.

A vaidade, a beleza que pode ser vista, a arrogância... Evaporam, deixam de existir... E de que valeu importar-se com tudo isso e se não deixarmos saudade, se não deixarmos um pouco do que somos às pessoas que passam pelo nosso caminho?

O amanhã não nos pertence, então que o nosso hoje possa ser digno de ser relembrado por alguém; que deixemos saudade do nosso caráter, da nossa integridade, das nossas boas ações, pois são essas coisas que ficam, as outras que nos envergonham devem ser enterradas quando o coração ainda pulsa, para que tire dele as correntes que tornam a vida pesada, para que o seu ritmo seja leve, mas cheio de intensidade para viver o tempo que ainda temos.

(Por Maria Cristina Gama)
.
.

quinta-feira, 24 de novembro de 2016

A nostalgia do Natal




Ah, como eu gosto de capuccino, às vezes vou ao shopping só para saborear um... Sim, eu tenho preferência, não se trata de propaganda, mas aquele do “Café do Ponto” é o melhor...

Eu estava na fila do caixa para pagar um capuccino “grande”, quando esbarrei em uma pequena árvore de natal que estava no balcão. Ela caiu no chão, separou-se em algumas partes, mas as bolas coloridas permaneceram intactas.

Neste instante, meus pensamentos perderam-se nas lembranças, na minha infância. Lembro-me do meu medo e cuidado para não derrubar aquelas bolas coloridas, pois elas quebravam e suas pontas espetavam os nossos dedos...

Era um medo gostoso, pois ali estava a família reunida, mexendo nos enfeites do natal passado e procurando os que ainda podiam ser aproveitados. Era uma surpresa atrás da outra, como, por exemplo, os cartões de natal que pendurávamos nas árvores, com mensagens de amigos e familiares.

Hoje, compramos tudo pronto: os enfeites das portas, as árvores montadas e até mesmo embrulhos que imitam presentes embaixo da árvore de natal... Isso me causou tristeza... A família também está assim,“artificial”, parece enfeite que olhamos na vitrine, lindo, colorido, mas “sem vida”, “sem amor”, “sem união”...

Mas ainda podemos ver algumas famílias reunidas em volta da árvore que, aos poucos, vai ganhando vida, cor, enfeites e sempre tem alguém brigando para ver quem vai colocar a estrela.

[...]

De repente, os meus pensamentos foram interrompidos pela atendente:
“Não se preocupe, não quebrou...”

Mal sabia ela, que eu queria que tivesse quebrado, abaixado para juntar os cacos, tentado arrumar, providenciado outros enfeites, feito alguma coisa... Mas, num piscar de olhos, lá estava a árvore, igual, pronta para ser derrubada por outra cliente desatenta.

O Capuccino? Saboreei bem devagar, observando a árvore gigante que colocaram lá no shopping e o movimento em sua volta: pais tirando fotos com os filhos...

Árvores digitalizadas para colocar no Facebook..

(Crônica de Maria Cristina Gama) - 12/12/2009
.
.